8.4.10

Cúmplice


 
 Era verão e você entrou em meu blog. Leu todos os meus textos e girou. Efeito colateral. O que eu fiz em você sem saber? O que você fez em mim depois sabendo? Tudo, muito. E assim começou e não sei onde irá terminar. Falo com você ao telefone todas às noites, e seguimos entre torpedos e webcam. Você fala sobre sua vida; eu digo sobre a minha. Você escreve poemas; eu escrevo meus afetos. Eu apresentei à família a você; você mostrou minhas fotos para sua família, seus amigos. Você canta, sorri, eu ouço, alegre. Discutimos sobre amor, e a vida; divagamos sobre o passado que não existe, o presente que nos consome, o futuro que nos engloba. Você viaja nas asas de uma águia para minha cidade; eu viajo para a sua.Você me quer, eu te desejo. Você é 'cheff '; eu esquento o pão. Você é meu complemento; eu sou seu suplemento. Fazemos sexo. Brincamos. Ardemos. Você tem um jeito que eu gosto. Eu olfativa,  acompanho rastros de perfumes, você molhou o corpo em nova essência. Lê minhas palavras soltas, se ‘entrega’, na entrega, e nos juntamos nesse ‘estado’. Ficamos com saudades; comemos a saudade. Choramos juntos. Seu cérebro armazena letras de música; eu observo, leio, assisto filmes concentrada; você se excita nos filmes e me excita. Você quer me respirar; eu quero-lhe transpirar. Inspirar e respirar. Fazemos amor. Você goza, eu gozo, nós gozamos. Eu sou doce como bala; você chupa a bala até com papel. Você é intenso; eu sou profunda.  Eu recebo cantadas idiotas; você recebe elogios suspeitos. Eu sou Renata, Luciana, e todas as mulheres ocultas em minha pele; uma tribo na sua vida, um rizoma. Somos nômades por excelência. Eu  focada; você disperso. Eu fico molhada; você ensopado. Eu cuido do meu jardim; você me apresenta a flora. E é tanto céu e tanto ar, que nos lançamos na imensidão.

7 comentários:

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Waw! Belíssimo, tocante, pulsante, quase-palpável e táctil... a distância - penso - não inibe, não sucumbe, nem estrangula, só potencializa [quando há algo maior, mais nobre (e nem por isso menos picante), pelo que lutar]

;)

Ribeiro Pedreira disse...

Eu... ALGUMA POESIA em ESTADO DE ENTREGA, Sheik desse harém que és. "Somos a resposta exata do que a gente perguntou (...) o resultado da união de duas mãos coladas numa mesma oração." Somos saudade, amor, paixão e cumplicidade. Somos tudo que arde e é doce, virtual e presencialmente. Escolhemo-nos, encontramo-nos, entregamo-nos, amamo-nos e saboreamos juntos o tempero da distância.
Somos assim, em primeira pessoa de um plural singular.
Amor de muito.
Beijos meus!!!

Sylvia Araujo disse...

Lindo amor. Lindo texto. Lindos sentimentos, entregas, presente e futuros.

Muitos futuros pra vocês!

Meubeijo

Renata Luciana disse...

Linda você Syl, beijos nossos.

________________________________

Francisco

chegastes nesse dia mega entrega e intensidade. Sempre bem vindo.

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

amores dos tempos virtuais, a alma é de uma certa maneira vitual e sempre esteve com todos, gostar e ter cúmplice é bom, nos momentos de solidão lá está ele o cúmplece que é mais que um amor

Wilson Torres Nanini disse...

Realmente houve confluência, um algo de cataclismo, um paladar de orquídea.

Abraço!

Anônimo disse...

puxa vida, que lindo isso, legal mesmo

=)


beijo,
G.