8.4.10

Cúmplice


 
 Era verão e você entrou em meu blog. Leu todos os meus textos e girou. Efeito colateral. O que eu fiz em você sem saber? O que você fez em mim depois sabendo? Tudo, muito. E assim começou e não sei onde irá terminar. Falo com você ao telefone todas às noites, e seguimos entre torpedos e webcam. Você fala sobre sua vida; eu digo sobre a minha. Você escreve poemas; eu escrevo meus afetos. Eu apresentei à família a você; você mostrou minhas fotos para sua família, seus amigos. Você canta, sorri, eu ouço, alegre. Discutimos sobre amor, e a vida; divagamos sobre o passado que não existe, o presente que nos consome, o futuro que nos engloba. Você viaja nas asas de uma águia para minha cidade; eu viajo para a sua.Você me quer, eu te desejo. Você é 'cheff '; eu esquento o pão. Você é meu complemento; eu sou seu suplemento. Fazemos sexo. Brincamos. Ardemos. Você tem um jeito que eu gosto. Eu olfativa,  acompanho rastros de perfumes, você molhou o corpo em nova essência. Lê minhas palavras soltas, se ‘entrega’, na entrega, e nos juntamos nesse ‘estado’. Ficamos com saudades; comemos a saudade. Choramos juntos. Seu cérebro armazena letras de música; eu observo, leio, assisto filmes concentrada; você se excita nos filmes e me excita. Você quer me respirar; eu quero-lhe transpirar. Inspirar e respirar. Fazemos amor. Você goza, eu gozo, nós gozamos. Eu sou doce como bala; você chupa a bala até com papel. Você é intenso; eu sou profunda.  Eu recebo cantadas idiotas; você recebe elogios suspeitos. Eu sou Renata, Luciana, e todas as mulheres ocultas em minha pele; uma tribo na sua vida, um rizoma. Somos nômades por excelência. Eu  focada; você disperso. Eu fico molhada; você ensopado. Eu cuido do meu jardim; você me apresenta a flora. E é tanto céu e tanto ar, que nos lançamos na imensidão.

7 comentários:

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Waw! Belíssimo, tocante, pulsante, quase-palpável e táctil... a distância - penso - não inibe, não sucumbe, nem estrangula, só potencializa [quando há algo maior, mais nobre (e nem por isso menos picante), pelo que lutar]

;)

Ribeiro Pedreira disse...

Eu... ALGUMA POESIA em ESTADO DE ENTREGA, Sheik desse harém que és. "Somos a resposta exata do que a gente perguntou (...) o resultado da união de duas mãos coladas numa mesma oração." Somos saudade, amor, paixão e cumplicidade. Somos tudo que arde e é doce, virtual e presencialmente. Escolhemo-nos, encontramo-nos, entregamo-nos, amamo-nos e saboreamos juntos o tempero da distância.
Somos assim, em primeira pessoa de um plural singular.
Amor de muito.
Beijos meus!!!

Sylvia Araujo disse...

Lindo amor. Lindo texto. Lindos sentimentos, entregas, presente e futuros.

Muitos futuros pra vocês!

Meubeijo

Renata Luciana disse...

Linda você Syl, beijos nossos.

________________________________

Francisco

chegastes nesse dia mega entrega e intensidade. Sempre bem vindo.

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

amores dos tempos virtuais, a alma é de uma certa maneira vitual e sempre esteve com todos, gostar e ter cúmplice é bom, nos momentos de solidão lá está ele o cúmplece que é mais que um amor

Wilson Torres Nanini disse...

Realmente houve confluência, um algo de cataclismo, um paladar de orquídea.

Abraço!

Geraldo de Barros disse...

puxa vida, que lindo isso, legal mesmo

=)


beijo,
G.