13.11.10

Confidências

  a rota que me fez regresso ao meu destino 
rodeada de silêncios
acaso
cântaros de sol


meu corpo tatuado na rocha
silenciado

guardo-me 

límpida 

clara 

água

12 comentários:

Mai disse...

Caminhos ao interior de si.
Ir buscar ali o alimento.

Rota segura ao topo.
Um poema em imagens.

abraços e bom final de semana.

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

Adorei a camisa e a Sensualidade destes veros "meu corpo tatuado na rocha
silenciado


guardo-me


límpida


clara


água
"

AC disse...

O elogio da harmonia...

Beijo :)

Fred Caju disse...

Da minha parte, ouça os aplausos. Gostei muito! Bom final de semana e abraços!

Ribeiro Pedreira disse...

quando a rocha brinca de versos, lagarteando ao sol,
vibram as energias de um mundo interior
com destino de diamante.
boas lembranças de nós...
bjs!

claudio rodrigues disse...

Quero uma camisa com um itinerário desses. Linda!Vamos por rotas inexoráveis!

so sad disse...

viajar, ver, conhecer, viver!!!

bjo!

Ana Tapadas disse...

«Cântaros de sol»...precisava de um poema assim...

Lindo!
Beijinho

Andrea de Godoy Neto disse...

que lindo esse corpo tatuado na rocha...esseas rotas, caminhos de retorno a si
uma linda entrega!

beijos

Marcello disse...

Viajar é poesia natural, adorei as fotos e o texto.

Beijos

[Moço'] disse...

Guarda-te no SOL, que a luz emanada de sua voz há de traduzir em verbo, o que no sol só se entende no gesto...

Taynara Andrade disse...

muito bom aqui..
estou ficando.

beijos