26.9.13

do sol, o sal
que saliva

cata o vento
das horas

na beira da voz
o nada
suspirado

Nenhum comentário: