23.3.10

Outono


Em dias de outono
desejo ser vento
endereçar no corpo
um cheiro
de figo

14 comentários:

Tiago Moralles disse...

O que leva e o traz as estações e os estados.

Fouad Talal disse...

figo
estomo
intistino
fino

Leonardo B. disse...

[fruto do maior tormento, que a dormente brisa possa transportar]

um imenso abraço, Renata

Leonardo B.

Ribeiro Pedreira disse...

É inevitável lembrar o sabor dos doces de figo que minha vó fazia. Carregas este sabor em ti! O sabor do outono que o vento traz.

fred girauta disse...

gosto de figos coloridos e de pés femininos

ErikaH Azzevedo disse...

Colher do outono
nas figueiras
Os mais saborosos frutos.
Doce, menina,
que emprestas
a tua pele.

...Erikah Azzevedo...

Renata, como vês és tu inspiração.

bjos

Erikah

Gisele Freire disse...

Oi Re
Faz tempo que não passeio por aqui...
Tudo tão bonito, as palavras, tudo branquinho, lindo mesmo.
Bjs
Gi :)

Anônimo disse...

Ô PRIMA....Odeio figoo! hehehe!
Mas o texto é belo...saudade!

Nydia Bonetti disse...

Outono.

Maçãs repousam
dentro de nós.

E o rubro tom,
na vidraça

Amei teu blog e tua escrita, Renata. Estou te linkando no Longitudes, ok? Beijoo.

Geraldo de Barros disse...

Menina Renata, que coisa linda esse seu poema gostei muito, deu até pra sentir o outono entre os lábios

=)


grande beijo,
Geraldo.

Lara Amaral disse...

Vim por indicação do Dado, e gostei muito daqui. Sua escrita é delicada. Bom seu espaço =).

Abraços.

leonel disse...

Suave como a brisa, incandescente como o braseiro carvão que se combusta de algo que ainda temos por dentro, e, não ousamos levá-lo ao vento, sob pesar de se apagar.

Abraço!

pm disse...

... bonito o conjunto!

leonorcordeiro disse...

Renata,
Gostei demais do blog e dos poemas.
Grande abraço!