5.8.10

Trilhos


Juro beijar teu corpo sem descanso
Como quem sai sem rumo prá viagem.
Vou te cruzar sem mapa nem bagagem,
Quero inventar a estrada enquanto avanço.


Beijo teus pés, me perco entre teus dedos.
Luzes ao norte, pernas são estradas
Onde meus lábios correm a madrugada
Pra de manhã chegar aos teus segredos.



Como em teus bosques. bebo nos teus rios.
Entre teus montes, vales escondidos.
Faço fogueiras, choro, canto e danço.
Línguas de lua varrem tua nuca.
Línguas de sol percorrem tuas ruas.


3 comentários:

Lara Amaral disse...

Caminho ladrilhado com pedrinhas de brilhantes... e fogueira! =)

Ribeiro Pedreira disse...

nos caminhos da pele o amor se enfeita de desejo e percorre trilhas nunca antes experimentadas.
te beijo nessa estrada!!!

Joana Masen disse...

Lindo poema, quem me dera eu escrevesse assim...