27.3.11

CUIDA DE MIM


Pra falar verdade, às vezes minto
Tentando ser metade do inteiro que eu sinto

Pra dizer as vezes que às vezes não digo
Sou capaz de fazer da minha briga meu abrigo

Tanto faz não satisfaz o que preciso
Além do mais, quem busca nunca é indeciso
Eu busquei quem sou;
Você, pra mim, mostrou
Que eu não sou sozinho nesse mundo.

Cuida de mim enquanto não esqueço de você
Cuida de mim enquanto finjo que sou quem eu queria ser.
Cuida de mim enquanto não me esqueço de você
Cuida de mim enquanto finjo, enquanto finjo, enquanto fujo.

Basta as penas que eu mesmo sinto de mim
Junto todas, crio asas, viro querubim
Sou da cor, do tom, sabor e som que quiser ouvir

Sou calor, clarão e escuridão que te faz dormir
Quero mais, quero a paz que me prometeu

5 comentários:

Ribeiro Pedreira disse...

o cuidado são as asas do amor. quero-te do jeito que és pra mim...

marlene edir severino disse...

Não dá pra ser só metade....
Que seja inteira e intensa!

Belo poema.

Um abraço,

Marlene

Gisa disse...

Um amor de cuidado e dedicação. Um grande bj querida amiga

Por que você faz poema? disse...

E que se abram as cortinas para o teatro mágico da vida.

Marcello disse...

De metade não se vive, só a completa felicidade é que salva.

Beijos.